Como fazer um livro fracassar: nem sempre o fracasso é algo ruim

Na quinta-feira (08), a Liber Editora marcou presença na Livraria da Travessa do Shopping Leblon para colaborar com um evento peculiar: Como fazer um livro… Fracassar. O bate-papo, organizado pela Editora Raíz com o apoio da gente, do Vai Lendo, do Nespe e de outras instituições, deu voz àqueles projetos que morreram na praia ou nem mesmo chegaram a tanto, mas que marcaram seus autores.

Mediado por Leandro Müller (NESPE) e Ronaldo Wrobel, escritor, o auditório lotado e transbordante parou numa noite chuvosa para ouvir como o fracasso é necessário. Juliana d’Arêde, criadora e gestora do site Vai Lendo, inaugurou os relatos explicando a dificuldade que presenciou com o desenvolvimento do seu projeto de incentivo a divulgação de autores independentes. Visto que a grande divulgação de livros hoje em dia se concentra em autores estrangeiros, a iniciativa parecia algo otimista e necessária. Até que funcionou… Mas não como ela gostaria. Os autores não se engajaram da forma que era esperada e o projeto estacionou.

Ronaldo Wrobel contribuiu para a noite com uma estranha viagem ao Quênia. Um de seus livros nasceu por causa de uma ideia que envolvia o Quênia. O autor, portanto, pesquisou tudo e qualquer material sobre o país africano com afinco, dedicando horas de trabalho e atenção até que, como ele brincou, seus personagens se sentaram com ele para dizer que eles não queriam o Quênia. Tudo funcionava perfeitamente – quem sabe até melhor? – sem o país. E o que fazer com as horas perdidas?

 

Juliana d’Arêde – Criadora e diretora do Vai Lendo

Andréa Carvalho – Facilitadora Executiva (Liber Editora)

 

O convidado de honra da noite – a parte dos autores que estavam lá para lançar a Coleção Ruído da editora, claro -, Tavinho Paes, dividiu a história de sucesso, mas de retribuição fracassada, de uma composição muito conhecida do público, “Totalmente Demais”, que fez junto a alguns colegas e teve todo freio possível para deslanchar. De censura pela ditadura à desistência de um programa com a música como tema, “Totalmente Demais” é um fracasso e um sucesso: a retribuição financeira da música é mais confusa que achar agulha em palheiro e ainda assim, graças a Caetano Veloso, muita gente nesse mundo conhece os seus versos.

 

Tavinho Paes – convidado de honra do evento

 

“Como fazer um livro… Fracassar” foi uma introdução perfeita ao lançamento da Coleção Ruído. Muitos autores participaram da discussão animados, dividindo e exaltando a literatura nacional. Dos três casos citados dentre muitos outros que enriqueceram a noite, fica fácil ver que o fracasso nem sempre é o pior resultado. No mínimo eles nos dão lições preciosas, no máximo oportunidades para um novo caminho. A Juliana conheceu obras novas que talvez não conheceria sem o projeto; o Ronaldo terminou com um livro fechado e com muito conhecimento sobre uma nova cultura; e o Tavinho fez uma obra que tocou milhares de pessoas.

Fracassar não é fraqueza. É, na verdade, uma das coisas inevitáveis da vida e, com toda certeza, não define quem você é. Compartilhar fracassos alivia a alma e abre os horizontes. O evento foi inspirador e se mostrou o motor perfeito para um lançamento mais leve da primeira tentativa da Editora Raíz de lançar uma coleção. Ao que tudo indica, o fracasso no entanto passou longe da noite e nos deixou com uma lista de pessoas interessantes, livros bons e sucesso nas mãos.

Autoras: Marcela Sperandio, Andréa Gaspar, Andréa Apa, Elaine Castanheira, Nanda Silveira, Gabriella Ardore – Foto: Ilan Vale

 

* O evento “Como fazer um livro… Fracassar” foi uma parceria da Editora Raíz com a Liber Editora, o Nespe, o Vai Lendo, a Editora Jaguatirica, a Hora da Leitura, a FLAM, da Voz à Vossa e do Conversas na Estante.

Escrever um comentário